SANTIAGO, UNA PASIÓN

Vista do Avião

Texto e imagens por

Wesley Cancela, estilista na Holy Shit.

No início desse mês tive a honra de conhecer a capital chilena e comemorar meu aniversário por lá. Confesso que, quando procurei sobre Santiago para programar a viagem, não sabia a imensidão da cultura local e a hospitalidade que a comuna oferece. O sonho começa minutos antes de descermos na cidade, quando o avião começa a aterrissar e passamos pela Cordilheira dos Andes, cartão postal da América do Sul.

O país oferece tantas atrações que você fica perdido ao chegar, sem saber por onde começar. O lugar que fiquei mais encantado foi em Valparaiso, uma comuna que fica a uma hora de Santiago, onde temos uma vista deslumbrante para o Pacífico e as casas são todas coloridas. Logo ao lado está Viña Del Mar, outra comuna que possui suas peculiaridades e foi projetada para atender um público mais elevado, onde a maioria dos apartamentos, residências e restaurantes também têm vista para o pacífico.

  Vista do Pacífico em Valparaiso  Viña Del Mar

Valparaíso e Viña del Mar.

Outro atrativo do país são os vinhos, que são exportados para todo o mundo. Pude conhecer duas vinícolas, a Emiliana e a Concha y Toro, ambas têm um passeio onde é mostrado o cultivo, seleção de uvas, preparo do vinho e, ao final, uma degustação. Durante a estadia é impossível ficar sem tomar uma garrafa por dia, os vinhos são de ótima qualidade e muito baratos, em média 70% menos que no Brasil.

Vinícola Emiliana

Vinícola Emiliana.

Constantemente você se depara com museus e parques. Um dos mais referenciados é o Museo Nacional Bellas Artes, que conta com vários espaços onde acontecem exposições temporárias de vários artistas, lá pude visitar a exposição “La Vida Eterna” de Guillermo Lorca, onde estavam expostas 24 obras pintadas a óleo. Outro lugar que conta em detalhes a história da América do Sul em geral, é o Museo Chileno de Arte Pré Colombiana, onde estão expostas esculturas, tecidos, roupas e acessórios, algumas peças datam mais de 5.000 anos. Existe também o Museo de La Moda, que infelizmente não pude conhecer, estava fechado para curadoria de uma exposição sobre a indumentária do futebol mundial, lá já passaram inúmeras exposições, contando até com figurinos usados por Marilyn Monroe no cinema.

Obra de Guillermo Lorca, exposto no Bellas Artes

Obra de Gillermo Lorca.

Das atrações gastronômicas, conheci o famoso Giratório, que é um restaurante que fica no terraço de um prédio e tem uma vista panorâmica de 360 graus de Santiago. O mais surpreendente de todos é o Ocean Pacific, restaurante que retrata a temática marinha em seu cardápio e decoração, cada sala do restaurante é decorada em mínimos detalhes, os ambientes vão de submarinos até salas vikings, gastei mais tempo fotografando tudo do que comendo mesmo, mas acreditem, para fotografar o restaurante inteiro precisaríamos de dias.

Uma atração que merece um post a parte é a Cordilheira dos Andes, um passeio fascinante do início ao fim, para subi-la é necessário um motorista com experiência por que são 66 curvas acentuadas com uma paisagem excepcional até chegar ao Valle Nevado, que é a parte mais alta que conseguimos atingir por esse caminho – cerca de 3.000 metros de altitude. Tive que passar bastante protetor solar, a temperatura chegou a -5 graus, mas a radiação solar era constante e as vezes senti calor, mesmo nessa temperatura.

Valle Nevado

Valle Nevado

Sobre as curiosidades locais, o mais impressionante é a forma que eles comem o abacate, que lá é conhecido como “avocado ou palta”. Ele é temperado com sal e usado nos cachorros quente de esquina até os fast foods, como Mc Donalds e Burguer King. E quando falamos que aqui no Brasil nós tomamos vitamina de abacate ou comemos puro amassado com açúcar, os chilenos acham um crime e não aceitariam nem experimenta. Mas da forma que eles comem, fica gostoso e interessante. Outra curiosidade é a água, por ela ser proveniente das Cordilheiras e carregada de minerais, não faz espuma e tem gosto forte, até mesmo as vendidas em supermercado. É normal os turistas terem coceiras durante a estadia lá, eu tive. Um detalhe importante é a forma com que eles lidam com os cães de rua, a população tem o hábito de alimentar os animais, que geralmente são gordos e todos param para acariciá-los em meio a seus compromissos diários.

Cães de rua

Enfim, é uma comuna que tem funcionamento interessante, o metrô atende vários bairros, facilitando o deslocamento. E quando precisamos pegar trânsito, mesmo nos horários de pico, os motoristas são bem mais calmos comparados ao Brasil. As ruas do centro da cidade são limpas, organizadas e com toques de arquitetura européia. Os chilenos são calmos, dispostos e solícitos. Quem puder se programar, não irá se arrepender de ir ao Chile e quem for, vai querer voltar e até mesmo ficar por lá.